Mulholland Drive




Simplesmente GENIAL!

Contém spoilers!


"Todas as interpretações que encontrei de Mulholland Drive (MD) consistem aproximadamente no seguinte: os primeiros 2/3 do filme são o sonho de Betty, alter-ego de Diane moribunda fisica e/ou psicologicamente; o último terço é a Realidade das vidas de Diane e Camilla. Concordo basicamente com a divisão mas não com a interpretação da primeira parte. É preciso ter presente o universo lynchiano: metafórico, onírico, alucinatório, barroco, católico, emocional, povoado de anjos e demónios mais ou menos inconscientes, internos e manipulativos, perversões, culpas, recalcamentos, purgatórios e redenções.Em MD, David Lynch usa, entre muitas outras, 2 "peças" metafóricas: a chave e o cubo, ambos azuis (o azul tem também significado metafórico e emocional ao longo de todo o filme, tal como a sua restante palete de cores): as chaves azuis "são" a MORTE (a morte física no caso da chave real que o assassino contratado usa como sinal; a morte potencial, metafórica ou real, no caso da chave azul estilizada que Camilla acha na mala; esta "morte" pode também ser entendida como a "key" para mudar radicalmente de... Vida, talvez no sentido de mudança fundamental que a carta da Morte encerra no Tarot. Quanto ao cubo, ele tem dois óbvios estados possíveis: fechado é o MISTÉRIO (o profundo mistério do significado da vida, o insondável, o incompreensível); aberto é a REVELAÇÃO. A associação é também óbvia: só a chave da MORTE permite a REVELAÇÃO do MISTÉRIO...Interpretar a primeira parte do filme como um sonho de Diane é dar a esta personagem todo o protagonismo. Camilla ficaria resumida a uma imagem de Diane e todo o filme seria basicamente a história de Diane. Ora em toda a aura de marketing que rodeia o filme bem como no que resulta do seu visionamento linear, transparece a história de duas mulheres, duas faces da mesma moeda, a loura e a morena, siamesas na obscuridade do enredo. Assim e equilibrando a equação, proponho a seguinte interpretação:Destroçada, transtornada e em desespero total, Diane compra o assassinato da sua amada Camilla. O mecanismo demoníaco da morte é accionado através dos seus executores físicos, psicológicos, mentais e surreais (não cabe aqui essa análise). A limo preta desliza de facto, na realidade!, ao longo da tortuosa e sinistra e perigosa estrada das colinas sobranceiras a Hollywood, donde se avista a espaços o Valley (a gigantesca planície de malha urbana e suburbana a que se pode vagamente chamar LA). Esta estrada é de facto perigosa e os acidentes acontecem. O eminente assassinato de Camilla fracassa subita e inesperadamente devido ao tremendo embate do carro de adolescentes em corrida delirante. Ferida, transtornada e em choque, Camilla desce pelos arbustos da encosta e refugia-se numa casa que (aparentemente) a única residente está a abandonar durante algum tempo, como se fosse de viagem. Amnésica e traumatizada em todos os sentidos, Camilla adormece ou alucina. A HISTÓRIA QUE SE SEGUE PODE MUITO BEM SER O SONHO/ALUCINAÇÃO de Camilla. É algo especulativo a partir daqui e até à parte "real" do filme, discernir o que é alucinação e sonho do que é realidade no percurso de Camilla e das outras linhas narrativas que estão em movimento: o realizador, o assassino, etc. Todos os argumentos sobre o enredo de estranhos personagens no suposto sonho à beira do fim de Diane são igualmente válidos para Camilla. Elas eram amantes e colegas, partilharam as vidas, os passados, as histórias, logo as personagens cabem perfeitamnete na alucinação de Camilla. Mas e Betty/Diane? Como se ajusta ela aqui? Na perfeição. Betty é um anjo lynchiano típico, o anjo perfeito da amnésica Rita (Camilla sem identidade). Betty é linda de mais, amiga de mais, amante de mais, maternal de mais para ser outra coisa que não um anjo na lenta recuperação de Camilla. É com o seu anjo da guarda que Camilla vai viver e falar, ser apoiada e receber a energia e iniciativa que não tem. Não é perfeito que a idealização angélica de Camilla seja precisamente a Diane que existe nas profundezas da sua memória, a amante que a amou acima de todas as coisas, a Diane ainda pura e "canadiana" do início do seu relacionamento? Não é perfeito que Camilla "crie" o anjo que a protege da culpa de ter mais ou menos voluntariamente destroçado a sua amada Diane através dos seus outros amores que só conhecemos na parte final? Não é perfeito que assim sendo não haja uma dicotomia entre duas entidades físicas Betty/Rita mas sim uma unidade: Camilla amnésica e seu anjo da guarda Betty são/estão na mesma pessoa.Esta interpretação permite "dar realidade" a muitos mais acontecimentos, ou, pelo menos, a deixar ao critério pessoal essa assumpção: a rede assassina anda de facto preocupada com o desaparecimento da marcada para matar; é para o telefone de Diane que é passada palavra de que a rapariga está desaparecida, mas ninguém atende pois Diane já se suicidou pensando que Camilla morreu pois recebeu erradamente a chave-sinal (isto é shakesperiano); é, no mínimo, genial que a alma liberta da suicidada Diane voe para ser o anjo de Camilla; se é Camilla que sonha o episódio da escolha da protagonista do filme de Adam é natural que nome e foto não correspondam pois Camilla amnésica não sabe quem é Camilla; além disso, supondo que as histórias envolvendo Adam são sonhadas (transfiguradas pelo sonho), quem melhor do que a noiva de Adam para ter tido conhecimento do que se passou com o lançamento do filme e a sua vida pessoal; quando das profundezas da memória, Camilla verbaliza o primeiro nome ele é "Diane" e orientada pelo seu anjo, visita (de facto?) a casa de Diane onde se depara com o cadáver que se confunde com um cadáver dela própria (de novo o jogo de espelhos); ainda orientada pelo seu anjo, temendo ainda mais pela vida ao ver-se associada aquele cadáver (e o mais que na sua memória profunda lhe lembrasse que tinha sido vítima de uma tentativa de assassinato), Camilla disfarça-se de... Diane (Genial!). Mas Camilla continua amnésica e sem as ferramentas suficientes para entender o sentido de tudo isto. É então que é acometida por uma necessidade vital de ir ao Silêncio de neon azul. Mulher e anjo correm (na realidade?) para este estranho teatro onde se encena a Grande Revelação em fumos azuis. "Não há banda" mas sim uma fita gravada ao som da qual os actores (todos nós) "sincronizam"; não há nada de novo, nem lugar ao improviso, apenas ajuste efémero ao som há muito gravado, até a profundíssima paixão da Llorona pré-existia e pos-existe a ela, desfalecida, e no fim, apenas o vácuo do silêncio. Da lição de Silêncio, Camilla e Anjo recebem metaforicamente o cubo azul de que necessita(m) para a revelação pessoal. Correm para casa (e é aqui que encontro a principal "prova" de que este sonho é de Camilla, pois imediatamente antes da revelação, ou seja, a abertura do cubo com a chave respectiva, o Anjo desaparece (desvanece-se?). Já não tem cabimento na verdade de Camilla. É Camilla que abre o Cubo. Para onde foi Camilla?"

amerika [ccarreira@gmail.com]


P.S.: Originalmente publicado como comentário à critica do filme Mulholand Drive no blog: http://mulholland-drive.blog-city.com

6 pseudo-comentários:

ines disse...

LOL. repara uma coisa, eu nao preciso de conselhos pro meu blog, ainda por cima desses. eu posto o que quero, como quero e muitos mais etc's. nao levei a mal, mas sinceramente nao gostei da tua maneira . ja agora, diz quem és que eu nao sei .

ines disse...

eissh simão, desculpa. mas no outro dia apanhaste-me num dia mau, e então pronto :s é a tua opiniao, eu o que posto, se nao for meu as vezes ponho outras vezes nao. neste blog ainda so fiz 2 postes, nenhum com texto meu, mas pus, porque nao quiz, simplesmente. e desculpa ter falado assim, mas tb acho que isso vai de pessoa para pessoa, como cada uma faz ou quer fazer o seu poste

Câmera Digital disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Câmera Digital, I hope you enjoy. The address is http://camera-fotografica-digital.blogspot.com. A hug.

Dumuro disse...

SECURITY CENTER: See Please Here

JoJosho disse...

Attention! See Please Here